Barcelona vs Valência – Final da Taça do Rei – Espanha

Sábado às 20.00, o Estádio Benito VillaMarín na cidade de Sevilha acolhe a final da Copa de su Majestad el Rey, uma prova centenária do calendário do futebol espanhol – Barcelona vs Valência 

Barcelona vs Valência Os finalistas são dois clássicos do futebol espanhol, um deles colossal e outro a caminho de reencontrar o seu posto natural entre os grandes clubes – Barcelona vs Valência 

 

O Valência chega a Sevilha cheio de ilusão e de vontade de triunfar. Vem de uma época muito conturbada que começou muito mal e terminou de forma saborosa ao assegurar o quarto posto da Champions sob a linha de meta.

 

Marcelino Toral, muito contestado durante quase toda a temporada pela exigente afición Che, soube passo a passo encontrar o caminho para o sucesso, e esta final da Taça é um justo prémio para a perseverança da equipa.

À sua frente estará um Barça ferido no seu orgulho pela humilhação em Anfield, que expôs à saciedade todas as imperfeições e costuras da equipa de Ernesto Valverde.

Uma equipa que ainda não recuperou da tremenda paulada que apanhou, e que terá que acordar a tempo se não quiser apanhar outro desaire. Mas ainda assim uma equipa que tem Messi, sendo incrível que tendo jogado nesta um futebol tão mediano e entediante como o do Real Madrid estivesse a ponto de ganhar tudo, por causa da irreal temporada do seu mago argentino.

valência
Para chegar a esta final Valência, depois de eliminar o Ebro e o Sporting de Gijón, equipas de escalões inferiores, teve como obstáculos finais o sensacional Getafe de Bordalás e o Betis de Quique Setién, que estava motivadíssimo pelo facto de saber que iria disputar a final em casa.

Contra o Getafe foi uma eliminatória muito dura, uma vez que os valencianos perderam no Colisseum por 1-0, e ao intervalo estavam a perder por 0-1 no Mestala, tendo obtido uma vitória heróica por 3-1 com dois golos nos descontos a carimbarem a passagem em frente. Contra o Betis a equipa mostrou ser simplesmente mais forte que os andaluzes.

Um percurso mais ou menos acessível, mas no qual a equipa mostrou ter a competência e empenho para vencer quando vieram os obstáculos mais complicados.

Barcelona
O percurso do Barça nesta Copa del Rey foi muito atribulado. Depois de ter eliminado naturalmente a Cultural Leonesa, encontrou o Levante nos oitavos, perdendo em Valência num jogo marcado pelo polémico alinhamento indevido do Barça( não reclamado em prazo útil pelos valencianos), tendo depois Messi tido que resolver na segunda mão com um 3-0.

Barcelona vs Valência

 

Quartos com o Sevilha o mesmo enredo, Barça perde por 2-0 a primeira mão no Sánchez Pizjuán, Messi entra em campo na segunda mão e os andaluzes são despachados com um 6-1.

Chegam as meias finais com dois clássicos contra o Real Madrid, e na primeira mão a equipa tem dificuldades para assegurar um empate a um no Camp Nou.

Qualquer dúvida que houvesse sobre a equipa ficou dissipada uma semana depois no Bernabeu, com o Barça a impôr-se com muita categoria e naturalidade por 0-3.

barcelona e messi

Um percurso feito de remontadas surpreendentes na quais o Barça mostrou de forma inequívoca ser a mais forte equipa espanhola da atualidade, sobretudo pela forma autoritária como eliminou o Real Madrid.

Em termos históricos o Barça procura um inédito penta na Copa, uma vez que ao vencer as últimas quatro edições da prova igualou as proezas do Real Madrid e do Athletic.

Para além disso o Barça pode revalidar o seu doblete, e aumentar o seu número record de Copas del Rey para 31, sendo que para além disso Messi poderá ainda aumentar o seu score como melhor marcador da prova com uns irreais 50 golos apontados.

O Valência procurará ganhar a sua oitava Copa, tendo vencido a última há uma década, em 2008. Os dois jogos entre as equipas na Liga deste ano foram muito interessantes.

Em Outubro no Mestalla o Valência começou por dar um verdadeiro banho de bola ao Barça, naquela que foi a primeira vez na temporada que a equipa deu uma grande sensação de fragilidade, que se iria repetir ao longo da temporada.

Marcou um golo, e poderia ter marcado quatro, até que apareceu Messi, e tal como sucederia muitas vezes ao longo da época, marcaria e salvaria o Barça. Final do jogo, o resultado foi 1-1, que poderia ter tido muitos mais golos.

Barcelona vs Valência jogador_goncalo_guedes
Em Fevereiro o Valência volta a dar um verdadeiro recital no Camp Nou, e à meia hora vence por 0-2. Novamente aparece o suspeito do costume, Messi, sempre ele, que aponta dois golos e iguala um jogo em que o Barça esteve completamente à deriva, jogando um futebol aos repelões e desligado.

Barcelona vs Valência

 

Final do jogo, que ficou empatado a 2, mas poderia ter tido mais golos.
Acrescem a este cenário as lesões do Barça. Súarez e Coutinho não jogam, ao passo que Dembelé e Arthur estão em dúvida.

Barcelona vs Valência treinador do barcelona Ernesto Valverde

Nota-se igualmente muita preocupação pela recuperação a tempo do guarda-redes Ter Stegan. Muitas dores de cabeça para a formação de Ernesto Valverde, um treinador que está a sofrer uma forte contestação dos adeptos blaugrana.

A decisão de operar Súarez depois de Anfield também não está a ser bem digerida pelos adeptos, uma vez que nem o uruguaio não se sacrificou para jogar esta final, nem o clube achou que fosse importante tê-lo num jogo tão crucial.

No Valência Garay e Cheryshev são as duas principais preocupações de Marcelino, sendo certo que vão os dois falhar a final.

Dois jogadores importantes na formação valenciana, sobretudo o central argentino, uma peça nuclear da equipa, que priva o centro da defesa de uma peça muito importante.

Barcelona vs Valência de Pedro Pita Soares
Vistos estes pressupostos vejo valor nas seguintes linhas. Não vou na linha óbvia de Messi a marcar a qualquer porque me parece que a Odd é demasiado baixa( 1.50 de Odd )

BTTS e over 2.5 @ 1.80 na Tripbet

Over 3 @  1.80 na Tripbet

Para além destas duas linhas vejo valor numa small stake numa linha especial.

Messi a marcar o último golo do jogo @ 3.05 na Tripbet

Celta vs Barcelona – La Liga By Pedro Pita Soares

Celta vs Barcelona – A jornada ficou marcada pelo título do Barça, que precisou do seu mago argentino Messi para ganhar o jogo decisivo contra o Levante no Camp Nou 

 

La Liga

O Atleti sofreu bastante para levar de vencida um Valladolid que mostrou qualidades para continuar na Liga – Celta vs Barcelona

 

Em Vallecas o pesadelo do Madrid continuou, com Zidane a mostrar incapacidade para inverter o rumo do descalabro.

Na luta pelo quarto posto da Champions grande surpresa da jornada as três derrotas de Getafe, Sevilha e Valencia, com os madrilistas a queixarem-se amargamente de uma arbitragem muito polémica.

Na luta por não descer o Villareal parece estar a caminho da salvação, e há três equipas empatadas com 37, Celta, Levante e Girona, que lutam para fugir dos postos de descida, e uma delas ficará no temido 17º posto da Liguilha.

Celta vs Barcelona

Esta foi a semana de Messi. No Sábado começou no banco antes de ser ele, sempre ele, a decidir o título com um golaço. Na quarta foi absolutamente decisivo, e arrasou quase só um Liverpool dominador mas perdulário.

Uma semana que seria épica na carreira de qualquer outro jogador, mas que na vida de Messi é mais um dia no escritório. Vejamos um quadro com os títulos no futebol espanhol neste século:

celta vs barcelona

Várias conclusões se podem tirar do quadro.

Antes de mais houve uma série de equipas, as duas maiores o Valência e o Depor, mas também o Sevilha e o Zaragoza, que entraram em decadência no século XXI, fruto de várias circunstâncias, quer internas quer externas.

O Atleti de Simeone também houve um tempo em que parecia que ia intrometer-se no domínio barcelonista mas nos últimos quatro anos não venceu nada.

O Real Madrid, que no século XX era o clube dominador do futebol espanhol, é hoje um clube rival do Barça, mas que normalmente perde.

 

Champions Trip – Novo Bónus na Tripbet com 100% de Bónus até 20€

 

Para se perceber a queda madrilista o clube venceu 2 ligas nos últimos 11 anos, e nem a contratação de Cristiano Ronaldo, o maior goleador da história do Real Madrid, foi capaz de inverter este ciclo infernal dos catalães.

Neste século o Barça impôs uma supremacia total no futebol espanhol, graças ao poder do futebol do seu mago de Rosário, que ganhou com e sem Ronaldinho, com e sem Iniesta e com e sem Xavi.

Indiscutivelmente o melhor jogador da história de La Liga, aquele que marcou mais golos, fez mais assistências, acima de tudo o melhor jogador, aquele que mudou o curso da história do futebol espanhol.

Antes dele o Barça tinha 16 títulos, quase metade dos ganhos pelo Real Madrid, hoje tem 26, e está a duas Ligas de igualar as irreais e inimagináveis 12 Ligas de Gento.

Messi

Mourinho chamava à atenção há uns dias que se Messi vencer a Champions ganhará a prova com o quarto treinador diferente, Rijkaard, Guardiola, Luis Enrique e Valverde.

Celta vs Barcelona

 

Acrescentou o treinador português que isto apenas significa que deve ser mais fácil vencer com ele. À margem da óbvia bicada a Guardiola, nesta temporada com o cinzentismo exibicional do Barça está a fazer com que o papel de Leo Messi sobressaia ainda mais.

Às vezes vejo um debate engraçado entre madrilistas sobre o facto do Bernabeu, um estádio exigente mas que sabe reconhecer os melhores mesmo que estes vestissem a camisola do Barça, tendo Cruyff, Maradona, Ronaldinho, Xavi ou Iniesta sido aplaudidos no templo blanco, o Bernabeu dizia nunca aplaudiu o grande Leo Messi uma única vez que fosse.

Tenho uma tese sobre isto, não creio que seja falta de senhorio ou de desportivismo. Os outros foram aplaudidos quando o Barça era um clube que ganhava episodicamente, e o Madrid ganhava. Quando o madrilista olha para Messi vê nele o quadro dos títulos do Barça, vê alguém que foi capaz de inverter um ciclo no futebol espanhol.

Os outros faziam umas flores de vez em quando, Messi é o seu terror há 15 anos consecutivos, e como dizia na semana passada o madrilista Juamma Rodriguez estão a contar os dias para que ele se aposente…

Celta de Vigo

Celta vs Barcelona

 

O Celta chega a este encontro em boa forma, depois de uma época muito atribulada com muita turbulência, Yago Aspas finalmente recuperou a tempo deste final de época, e com a magia das suas botas o Celta cresce muito.

Nos últimos jogos a equipa ganhou solidez na defesa, e parece estar a enfrentar de forma muito séria o desafio da permanência na Liga.

Enfrenta um Barça que está em estado de graça, depois de ter vencido a Liga e da vitória contra o Liverpool na primeira mão da meia final da Champions.

Se contra o Levante Valverde já fez rotações, e teve que sacar Messi a contra gosto, porque a Liga tinha que ser ganha, parece-me mais que previsível que no Sábado faça exactamente o mesmo nos Balaídos, não me espantando nada que fizesse o mesmo que fez em Huesca, ou seja jogar com 10 suplentes, uma vez que este encontro surge entre as duas mãos das meias finais da Champions League

 

As casas de apostas têm exactamente a mesma visão, a prova é que as odds no Back ao Celta são mais baixas que as do Back ao Barça.

 

Pedro-Pita-Soares

Prevejo um jogo com uma equipa muito empenhada, e outra com um onze muito dessincronizado, em ritmo de fim de época e a cumprir calendário.

 

Vejo por isso valor na seguinte linha para o jogo

Celta vs Barcelona

 

Under 3 golos @ 1.75 na Tripbet

 

Adicionalmente creio que vale a pena fazer uma small stake em duas linhas especiais:

 

-Iago Aspas a marcar @ 1.95 na Tripbet

Iago Aspas a marcar o primeiro golo @  4.10 na Tripbet

 

Champions Trip – Novo Bónus na Tripbet com 100% de Bónus até 20€

Manchester United vs Barcelona – CL By Pedro Pita Soares

Champions-LeagueQuarta-feira às 20.00 hora inglesas e portuguesas o Estádio de Old Trafford recebe um clássico do futebol europeu.

Manchester United vs Barcelona  – Duas super potencias, dois clubes que se sabem sempre superar na hora de maior dificuldade, com duas massas associativas tremendamente exigentes, como é o paradigma normal para quem viu jogar Best, Charlton, Law, Cantona, Beckham, Cristiano, Kubala, Cruyff, Romário, Guardiola, Ronaldo e Ronaldinho.

 

Uma reedição da grande final da Champions League do Olímpico de Roma de há dez anos, na qual o Barça de Guardiola e Messi vulgarizou o United de sir Alex Fergunson e Cristiano.

É muito interessante recordar esse jogo para se perceber o muito que mudou nos dois clubes na última década, gloriosa para o Barcelona e de decadência para o United.

Messi

O Barça, no primeiro ano com Pep Guardiola ao seu comando, alinhou com a seguinte equipa: Valdés; Puyol, Touré, Piqué e Sylvinho; Busquets, Xavi e Iniesta; Messi, Eto’o e Henry.

Jogaram ainda Keita e Pedro, tendo sido a ausência de Daniel Alves, o lateral direito titularíssimo de toda a temporada, suprida com mestria pelo capitão Carles Puyol.

Manchester-United
O Manchester United de sir Alex Fergunson alinhou com o seguinte onze: Van der Sar; O’Shea, Ferdinand, Vidic e Evra; Anderson, Carrick, Park e Giggs; Ronaldo e Rooney. Na segunda parte entraram Schooles, Berbatov e Tevez, tendo sido muito notada a ausência do capitão Gary Neville.

Depois desta final haveria muita polémica pela suplência de Tevez, que obrigou Cristiano Ronaldo a jogar numa posição que então era estranha para si(nota: mas na qual hoje em dia é aquela em que joga), facto que não terá sido do agrado do craque português, que nesse final de temporada rumaria ao Real Madrid.

Manchester United vs Barcelona

Comparar a equipa do United de 2009 com a sua formação atual é quase penoso, e mostra bem o duro caminho que o clube terá que trilhar para voltar a ser o colosso europeu que em tempos foi.

Alex Ferguson

A decadência foi acentuada em 2013 com a saída de Sir Alex Fergunson, que marcou o fim de uma era de 26 anos de tremendo sucesso, e que o clube ainda não conseguiu solucionar ao cabo de várias experiências fracassadas, como Van Gahl e Mourinho.

A simples lista dos jogadores caríssimos que fracassaram nos últimos anos no United é absurda, o United nos últimos anos por exemplo gastou mais que o seu arquirrival City, com resultados muito magros.

Piquet-messi
No Barça sobram “apenas”, Piqué, Busquets e Messi, mas a equipa soube reinventar-se ano após ano.

É certo que o guardiolismo que se respirava em 2009 esmoreceu, essa aposta num bando de miúdos da formação que foram capazes de vencer tudo o que era inimaginável, quer no clube quer na sua seleção, essa capacidade de apostar na cantera já não se vê.

Em vez disso o Barça teve alguns fracassos, mas tudo somado passou de ter boa cantera a ter boa cartera, ou seja, ter um bom scouting e gastar bem o dinheiro.

Está claro que há uma forma mais simples de explicar o sucesso blaugrana. Ter um jogador absolutamente genial, capaz de levar a equipa às costas e resolver o problema metendo a bola lá dentro quando é preciso, que mete golos, dá assistências, joga, faz jogar, e que é um terror para qualquer equipa que jogue contra o Barça.

Por isso continua a ganhar contra a mal discência dos frustrados, quer de aquém quer de além-mar, a ganhar sem Xavi, a ganhar sem Iniesta e a ganhar sem Neymar, porque quem ganhou com Messi foram obviamente eles.

Man united-champions-league
Quanto ao momento das equipas o United chega a este jogo com uma tendência de resultados negativa, depois de um grande início do treinador Solskjaer.

Nos últimos quatro jogos perderam três, dois contra o Wolves e um contra o Arsenal.

Em Old Trafford perderam o jogo da primeira mão contra o PSG, antes dos suplentes do United conseguirem operar um autêntico milagre em Paris.

A boa notícia, ou não, é que os titulares estão de volta para esta eliminatória.

O Barça tem estado intratável nesta época, e acaba de colocar um ponto final na Liga Espanhola ao vencer o Atlético de Madrid no Camp Nou neste Sábado.

Sem ser nos jogos da Copa del Rey, nos quais o Barça tem estado claramente a rodar jogadores, o Barça “normal” não perde um jogo há cinco meses.

Este ano tem como grande objetivo a reconquista da Champions, conforme o então novo capitão de equipa Leo Messi o disse no primeiro jogo do ano, no torneio Juan Gamper do verão passado.

Ernesto Valverde soube nos últimos dois anos tornar o Barça numa equipa versátil e competitiva, às até um pouco cínica, mas capaz de fazer o que o jogo pede que seja feito.

São duas equipas que têm o seu ponto forte no ataque, sendo que o Barça é uma equipa mais equilibrada e menos “louca” que o United do norueguês Solskjaer.

Pedro-Pita-Soares

Acredito num jogo com golos no plural porque são duas equipas que não sabem jogar para o 0-0, e gosto muito da Odd, creio que inclusivamente pode haver valor em mais golos, mas que a partir do over 3 é mais arriscado.

Manchester United vs Barcelona 
Tip: 
Over 2.75 @ 1.85 na Tripbet

Barcelona vs Atlético de Madrid – La Liga

La LigaSábado ás 19.45, em Camp Nou. – A cidade condal recebe o jogo do título.

Barcelona vs Atlético de Madrid – La Liga – Um clássico de La Liga entre duas equipas muito distintas, com filosofias diferentes de futebol, mas tremendamente fortes e competitivas.

O Barcelona é de um ponto de vista global a equipa que melhor futebol jogou na última década, a era de Messi. É certo que não teve neste tempo a tradução em títulos da tremenda hegemonia do seu futebol, mas isso também se deve ao facto do Barça tem sido sempre o rival a abater.

Claro que como se viu mais uma vez na Terça-feira ter um ET na frente dá muito jeito, resolve problemas que parecem insolúveis e disfarça debilidades, mas o Barça soube construir à volta de Messi equipas que apoiassem o seu futebol mágico.

Karim-Benzema

O objetivo principal da contratação de Cristiano Ronaldo pelo Real Madrid era mudar este ciclo hegemónico, e a prova da força do Barça é que em nove temporadas do português, o melhor marcador da história dos merengues, no Real Madrid a equipa sagrou-se campeã da Liga por duas vezes, enquanto o Barça venceu seis títulos, e note-se que isso não se deveu ao português, que mereceu cada cêntimo que ganhou e mostrou ser um jogador incrível e extraordinário e fez muito mais do que qualquer adepto merengue sonhou, mas sim aos méritos do Barcelona.

Para solucionar um problema da falta de títulos nos últimos anos, designadamente internacionais, leia-se a Champions, o Barça decidiu ir ao País Basco buscar o treinador do Athletic Ernesto Valverde, um coach pragmático, cujas equipas se costumavam caracterizar por algum cinismo e uma tremenda eficácia. Um treinador com uma filosofia muito diferente do guardiolismo, que o clube escolheu como uma mudança de paradigma.

Os resultados estão à vista, e não fosse uma noite terrível em Roma na temporada passada e poderíamos dizer que a escolha foi acertadíssima. O Barça de Valverde é talvez o primeiro Barça comparável ao de Guardiola em muitos anos, não no estilo de jogo, mas na sua força futebolística.

A equipa aprendeu a sofrer quando tem que sofrer, a jogar sem bola, a fazer aquilo que o jogo pede que seja feito. E tornou-se muito forte mentalmente, capaz de virar resultados e saber ter paciência.

A forma imperial como o Barça está a dominar por completo as duas últimas Ligas é impressionante. No ano passado, ainda com Cristiano no Madrid, acabou com 17 pontos de avanço para os merengues, e este ano vai pelo mesmo caminho.

Messi

Há claro demérito do Real nisso, mas qualquer observador reconhece que este Barça de Valverde é uma equipa muito séria e tremendamente competitiva.

Se o Barça está numa década de ouro, o seu adversário neste Sábado também pode dizer o mesmo. Quando há oito anos Diego Pablo Simeone pegou no Atlético de Madrid a equipa estava a quatro pontos de descer novamente de divisão.

O resto foi história: nessa temporada ficou a um ponto (!) da Champions, e nos anos seguintes a equipa regressou aos títulos nacionais e internacionais. Numa década a equipa passou do quinquagésimo sétimo posto no ranking da UEFA para o atual quarto.

Como se operou este milagre? Vejamos ponto a ponto:

1- Gestão financeira rigorosa. O Atleti na última década não fez as loucuras do passado, foi gastando em função das suas possibilidades, contratando barato e vendendo caro.
2- Crescer passo a passo. O clube não estabeleceu os títulos como objetivos prioritários mas sim ir consolidando resultados. Os títulos- três Ligas Europas, duas supertaças europeias, duas taças do Rey, uma Liga Espanhola- vieram como uma consequência de um crescimento natural. Num certo sentido a manutenção de Simeone prende-se exactamente com o assumir desta filosofia.
3- Boa formação. O Atleti durante quase uma década não formou jogadores para a equipa, a descida obrigou o clube a olhar para dentro. A apostar nos miúdos, no Torres, nos De Geas, no Gabi, no Koke, no Thomas. Muito importante: alguns dos craques saíram, mas os jogadores de classe média ficaram, e formam a espinha dorsal da equipa. O exemplo do que deve ser a formação no fundo.
4- Excelente scouting. O Atleti na última década comprou muito melhor. Exemplos? Courtois, Oblak, Godin, Filipe Luis, Falcão, Forlan, Aguero, Griezmann. O scouting do clube mostrou estar um passo à frente da concorrência.
5- Ter uma equipa com mentalidade campeã, ou seja fazer tudo para vencer o próximo jogo, tem a cultura do esforço, do sacrifício e do trabalho. Ter os pés no chão mas ser sempre competitivo. Quando este ano renovou perguntaram ao Cholo Simeone qual era o objetivo para esta época, e ele respondeu: O Levante. O próximo jogo portanto.
6- Last but not least ter um clube onde todos remam para o mesmo lado. Cholo Simeone e a sua filosofia de jogo a jogo uniram o clube, no Atleti toda a gente tem o mesmo discurso, do mais humilde adepto ao Presidente. Dos três grandes é de longe o clube mais estabilizado, com menos contestação interna quando perde, o que é um fator muito positivo.

Claro que todos estes fatores atenuam o desastre de Turim neste ano, no qual a equipa ficou com as costuras à mostra e foi eliminada de forma terrível e quase humilhante depois de um 2-0 na primeira mão.

Muita gente começou a falar no fim de ciclo de Simeone, até porque há vários jogadores nucleares que vão sair para o ano, mas a forma como nas últimas semanas a equipa soube reagir ao abismo que se aproximava foi notável.

De um ponto de vista futebolístico o Atleti é a mais italiana das equipas espanholas. É uma equipa que dá a bola ao adversário, tenta controlar o espaço e procura resolver nos contra ataques.

Tem jogadores rápidos e combativos, e muitos grandes jogadores não se adaptaram a este tipo de futebol, de Gaitan ao flop de Vitolo.

Neste Sábado no jogo do título o Atleti está nas suas sete quintas, não tem qualquer tipo de pressão para vencer, tem tudo a ganhar e nada a perder.

Creio que Simeone vai apostar no meio campo dos quatro elefantes (Thomas- Rodri- Koke- Saul), com Griezmann e Morata na frente. Apesar da retoma de resultados o jogo contra o Girona voltou a gerar duvidas na equipa, sobretudo pela fragilidade defensiva.

No Barça depois das loucas rotações do Madrigal, volta a equipa normal, com Messi no onze, mas sobretudo com Piqué e Rakitic.

O Barça na sua máxima força é uma equipa diferente da que se viu em Castellón, e a forma épica como a equipa conseguiu empatar um jogo completamente perdido nos descontos só lhe deu ainda mais força para enfrentar esta final.

Barcelona vs Atlético de Madrid

Não creio que o Barcelona vá jogar à defesa para o 0-0, não é uma equipa formatada para isso.

Pedro-Pita-Soares

Vejo valor para três linhas:

Barcelona @ 1.80 na Tripbet

 

O Barcelona está muito forte. A descompressão competitiva do Madrigal foi passageira, e o facto de não ter tido consequências só pode ser positiva.

Over 2.5 @ 1.85 na Tripbet

Acredito num jogo com golos

BTTS @ 1.75 na Tripbet

Uma linha corretiva e de recurso.