Operação Oikos – A Segunda Parte

Operação Oikos – A Segunda Parte

Valladolid vs Valência

No início de Junho de 2019 a detenção do ex-jogador do Real Madrid Raúl Bravo, o alegado cabecilha de uma rede de apostas ilegais, iniciava um terramoto no futebol espanhol cujas réplicas não cessaram de aumentar – Oikos

No principio do mês escrevi este artigo sobre o assunto:

Operação Oikos – Toda a Verdade – Clica para leres na integra!

Mollybet PT

Estando Espanha numa encruzilhada histórica provocada pelo desafio separatista, esta questão da corrupção no fenómeno desportivo, e mais concretamente das apostas desportivas, teve o condão de colocar a sociedade a reflectir sobre a podridão e decadência moral, numa sociedade e num mundo em que vale tudo, e as pessoas se prostituem moralmente por ganancia, visando o dinheiro fácil.

oikos espanha
O que se passou desde então?

Muitas coisas, tem sido um Junho alucinante no futebol espanhol, aquela ideia que o defeso é uma época morta em termos noticiosos é claramente errada, no caso espanhol dentro do campo, com as sucessivas contratações milionárias dos grandes clubes, mas também fora, com esta trama da corrupção.

O jornal El Mundo, uma espécie de Correio da Manhã de Espanha, tem passado o último mês a soltar cirurgicamente informações e escutas do processo.

oikos - raul bravo

Pelo que tem sido dito parece que o clube chave é o Huesca, onde alegadamente dos jogadores aos dirigentes toda a gente se corrompia, e os dois personagens chave da quadrilha de apostadores ilegais são Raúl Bravo e Carlos Aranda, outro ex-futebolista que militou em muitas equipas de sobe e desce, e que tem a curiosidade de deter um record no futebol espanhol, sendo o atleta que mais clubes diferentes representou em La Liga.

Uma carreira que lhe deu portanto muitos contactos, que alegadamente lhe viriam a ser muito úteis na teia de corrupção da Oikos.

Vamos antes de mais fazer um resumo cronológico das notícias:

– Depois de terem sido detidos uns dias antes a 30 de Maio Raúl Bravo e Carlos Aranda vêm o Juiz de Instrução Criminal decretar a sua Prisão Domiciliária, estabelecendo uma fiança de 75 mil euros para Aranda e 100 mil euros para Raúl Bravo, sentença que foi bastante contestada sobretudo por causa deste último valor, considerado demasiado baixo para a ordem de grandeza que a quadrilha movimentava.

oikos dirigenets e capitaes
– No dia seguinte, para além de alguns detalhes sobre jogadores do Huesca que se corrompiam, ficou a saber-se um dado que impressiona pela sua grandeza.

 

Estão a ser investigados no âmbito desta operação 6913 jogos de futebol, que vão dos profissionais aos jogos de Juniores e escalões inferiores.

– A 3 de Junho o Huesca tem um comunicado rocambolesco, o primeiro de muitos passos em falso do clube, no qual afirmam que por terem tido suspeitas de que os seus jogadores se iriam deixar corromper aumentaram os prémios de jogo.

Esta foi uma reacção à notícia de que o clube tinha sido directamente corrompido, uma novidade explosiva que o El Mundo trazia neste dia.

– A 4 de Junho a imprensa filtra uma escuta na qual se vê que o Huesca, na pessoa do seu Presidente Augustin Lasaosa, foi ameaçado pela quadrilha de Raúl Bravo depois de terem falhado uma combinação com o grupo.

– Depois de uma semana de acalmia, a 10 de Junho soube-se que Carlos Aranda, um dos cabecilhas da quadrilha, é proprietário de várias casas de jogo na sua cidade natal de Málaga, e que boa parte das operações da teia eram conduzidas através destes estabelecimentos.

– A 11 de Junho, ante as continuadas notícias de combinação do Valladolid-Valência, o Girona tomou uma posição, e requereu à Liga a permanência na mesma, uma vez que foi o 18.º classificado, e que se algum clube acima de si estiver envolvido em corrupção desce automaticamente.

Este pedido, conjuntamente com todas as decisões desportivas do caso, está ainda pendente.

– Nos dias seguintes vão saindo os detalhes das escutas, sendo muito pouco edificantes as conversas sobre o cavalheirismo e a honra dos jogadores envolvidos na corrupção.

Vários dos atletas envolvidos são suspensos pelos respectivos clubes, naturalmente uma forma de tentar centralizar a culpa neles.

 

jose oikos
– A 15 rebenta a bomba. José Luis Rubiales, nem mais nem menos que o Presidente da Real Federação Espanhola de Futebol, teria dado uma subvenção suspeita ao Huesca, na qual a entidade federativa apoiou o clube nas obras no seu Estádio El Alcoraz.

OIKOS

O problema para além do apoio ser incomum, e altamente inapropriado, é que se descobriram nas buscas em Huesca um documento interno do clube onde se fala explicitamente de um suborno do Huesca ao Presidente da Federação. Petón, director desportivo do Huesca, e Rubiales, desmentiram com veemência, e a imprensa não voltou a falar no assunto, mas esta é uma ponta solta do processo, que pode voltar um dia à tona.

– Nos dias seguintes os detalhes da investigação começam a emergir. Parece que a polícia usou microfones, em vez do tradicional recurso às escutas telefónicas, e que foi através deste método que se conduziu a investigação.

Pela primeira vez surgem suspeitas de ligações a outros campeonatos, ou seja que a teia se internacionalizou.

– A 17 de Junho os jornais envolvem pela primeira vez o nome de dum clube grande, nada mais nada menos que Real Madrid, que teria sido alvo de uma combinação no seu jogo com o Málaga na Liga de há dois anos.

O que é altamente revelador do grau de sofisticação da quadrilha é que esta combinação era relativa ao número de cantos do jogo.

– A 18 de Junho soube-se pela primeira vez de um contacto internacional de Raúl Bravo com um amigo Grego, que formava parte da operação financeira.

A pista da internacionalização começava a ganhar forma.

– A 21 de Junho ficou a saber-se que o jogo da série A Cagliari-Frossione relativo à última temporada, e disputado a 20 de Abril deste ano, foi combinado, e que portanto os tentáculos da teia de Raúl Bravo cresceram para além das fronteiras de Espanha.

Perante tudo isto que dizer?

Depois deste mês alucinante, que nem o facto do mercado de contratações espanhol estar on fire conseguiu abafar, nada ficará como dantes no futebol espanhol, devido ao manto de suspeição que tudo cobre.

OIKOS

O silêncio e a inoperância da Liga e da Federação começam a ser altamente suspeitos, sobretudo depois do envolvimento colateral do caso, e há aquela sensação no ar de não se saber o que vem a seguir, e que mais se irá saber.

E há a sensação de silêncio cúmplice de quem manda, como se tudo isto fizesse parte do mesmo sistema de poder.

La Liga teve uma última década de ouro. Real Madrid e Barcelona a dominarem o topo, e Atlético e Sevilha a vencerem provas europeias, somando-se ao facto das duas maiores estrelas do futebol mundial estarem no país.

OIKOS

oikos ronaldo

Mas a glória não dura sempre, sobretudo quando se dorme à sombra dos louros conquistados, e a forma categórica como as equipas inglesas vergaram tudo e todos na Europa está aí para provar que há uma mudança de poder em curso.

Pedro-Pita-Soares

No dia em que Messi pendurar as chuteiras, que não estará para longe uma vez que tem 33 anos, La Liga perderá não apenas o seu melhor jogador de sempre, poderá perder um símbolo de uma era de hegemonia que parece já ter terminado.

 

 

Mollybet PT

 

Ora esta operação Oikos é um símbolo desse fim de império, tal como o Calcio Caos significou o fim de duas décadas de hegemonia do futebol italiano, porque a corrupção é sempre o sinal derradeiro da decadência a todos os títulos, moral, financeira e desportiva.

A queda dum anjo – Michel Platini Detido

A queda dum anjo

A queda dum anjo

Nota prévia. O título deste texto é o de uma obra-prima da literatura portuguesa da autoria de Camilo Castelo Branco, que é um romance sobre a corrupção política e moral, e a forma como ela molda e destrói o carácter – A queda dum anjo

A história de Calisto, um homem do pequeno meio minhoto que é eleito deputado e vai para Lisboa, e lá se deixa corromper moralmente, é em muitos sentidos absolutamente lapidar e exemplar.

A tese do livro parte da premissa da velhinha teoria de Rousseau, segundo a qual o homem é naturalmente puro e bondoso, e que a sociedade é que o corrompe, e tem o melhor da prosa de Camilo no seu esplendor.

Lembrei-me dele hoje mal soube desta notícia.

A queda dum anjo por Pedro-Pita-SoaresNesta manhã, dia 18 de Junho de 2019, o mundo do futebol apanhou um choque tremendo com a prisão de Michel Platini, o ex-Presidente da UEFA, por suspeitas de corrupção.

 

A queda dum anjo

A queda dum anjo

Um choque que se sucede a outros, e que faz o mundo do futebol acordar para a realidade da corrupção, um fenómeno cada vez real.

Mas que tem uma só diferença na identidade do corruptor.

Há quem veja o copo meio cheio, e considere que isto sempre existiu, e que agora finalmente está a emergir e que portanto isso é positivo, e quem o veja meio vazio, e considere que o mundo do futebol está podre e corrupto de forma irremediável.

A verdade como sempre estará no meio das duas coisas, mas o homem que foi hoje destruído simbolicamente no imaginário dos adeptos não é/era um homem qualquer, Platini é uma verdadeira lenda e mito do futebol francês e mundial, o melhor jogador da história de um dos maiores clubes do mundo( a Juventus) e isso não pode, de modo nenhum, ser esquecido ou desvalorizado nesta hora.

Voltemos por momentos ao princípio de tudo. Os Platini foram uma das milhares de famílias italianas que emigraram para França no pós-Guerra para reconstruir o país, tendo-se fixado em La Lorraine, no noroeste do país, no coração da região histórica da Alsácia Lorena.

Foi lá que o jovem Michel deu os primeiros pontapés na bola, numa vocação que se revelaria invulgarmente tardia no universo dos jogadores de futebol.

Platini demorou a tornar-se jogador. Primeiro teve lesões, e apontavam geralmente o seu físico fraco( era magríssimo para os padrões normais de um jogador de futebol) como um ponto débil para se afirmar como jogador profissional.

Mundial França na queda de um anjo

Como resultado disso ficou muitos anos no Nancy, um clube típico do sobe-desce de divisão, de onde saiu já com 24 anos, tendo apesar disso sido bem notado o seu enorme talento.

Na sua estreia no Mundial de 1978 deu nas vistas e, mesmo não tendo realizado um torneio particularmente brilhante, foi a grande figura da selecção francesa.

Seguiu-se uma etapa gloriosa de três anos com o Saint-Etiénne, nos quais o seu talento explodiu, sendo o melhor jogador do muito competitivo campeonato francês da época.

O seu talento inato e incrível para marcar livres, arte na qual teve poucos jogadores à sua altura na história do futebol, foi trabalhado e Platini transformou-se numa autêntica máquina de fazer golos, de todas as maneiras e feitios, geralmente primando pela simplicidade de processos.

Veio o Mundial de 1982 e Platini lidera uma grande selecção francesa até à meia-final da prova, que foi um dos jogos mais épicos da história dos Mundiais, em que a França viria a ser eliminada de forma incrível e inglória pela Alemanha, no desempate por penaltys depois de ter estado a vencer por 3-1 no prolongamento – A queda dum anjo

Num mundial marcado por grandes figuras (Falcão, Zico, Sócrates no Brasil, Rossi e Conti na Itália ou Lato e Boniek na Polónia), Platini ganhou por direito próprio os seus galões de grande jogador no Mundial de 1982.

Juventus na queda de um anjo

Os tubarões do futebol estavam acordados, e a Juventus da família Agnelli esteve atenta, tendo assegurado os seus serviços para cinco anos de glória e história, nos quais o clube conquistaria tudo, tendo em Platini o seu maior craque, uma verdadeira arma mortífera, um jogador astuto, inteligente, letal, capaz de fazer o máximo com o mínimo, como alguém escreveu o melhor jogador da escola italiana de futebol, apesar de não ser italiano( nota: até certo ponto era, diz-se que o dia mais feliz da vida dos Platinis se deu quando ele assinou pela Juve, foi um verdadeiro motivo de orgulho familiar que o colosso de Turim tivesse escolhido Michel).

O grande treinador Giovanni Trapattoni soube extrair e garimpar o melhor futebol de Michel Platini, e apesar de breve nada apagará o fulgor do seu brilho.

O seu auge, infelizmente para nó portugueses, deu-se em 1984, no Europeu que a França organizou em casa e venceu, onde Platini se exibiu a um nível estratosférico e insuperável, tendo realizado a proeza de apontar 9 golos em 5 jogos, record de golos de um goleador num só Euro até hoje, e melhor média de golos de um goleador num Euro, a léguas dos outros.

Poucos jogadores na história do futebol se podem orgulhar de terem vencido e dominado uma competição colectiva de forma individualmente tão contundente, só Maradona no Mundial de 1986 e Garrincha no de 1962 se podem orgulhar de terem feito o mesmo que fez Platini no Euro 1984, e isto diz tudo sobre a sua imensa grandeza como jogador.

A queda dum anjo - Mundial 1986

As três Bolas de Ouro limitaram-se a reconhecer o óbvio, Platini tinha-se afirmado como um grande, sem a menor dúvida um dos melhores jogadores da história do futebol.

Durante todo o seu trajecto foi um jogador controverso, com colegas, com árbitros, com o futebol da época – A queda dum anjo

Cultivou sempre uma imagem de vencedor insaciável, e de uma certa arrogância que não lhe valeu poucos detractores, de um modo um pouco semelhante à imagem que hoje em dia tem Cristiano Ronaldo, mas para pior ainda. Foi sempre o líder e o caudilho das suas equipas, e nunca se escondia, tendo cultivado uma legião de fans mas também de detractores.

A imagem mais terrível que Platini deu-se no dia 29 de Maio de 1985 no Estádio do Heysel, quando uma tragédia ceifou a vida de 41 adeptos antes da Final da Taça dos Campeões Europeus, e ele apontou e celebrou de forma o golo da vitória( nota: marcado na conversão de um penalty comedido dois metros fora da área) de forma efusiva, que foi considerada absolutamente desumana e inadequada, depois da tragédia que tinha acontecido.

Aos 32 anos, no auge da sua carreira, decide colocar um ponto final na sua carreira de futebolista, dizendo-se desmotivado.

A derrota na meia final do Campeonato do Mundo de 1986( nota: novamente às mãos da Alemanha!) deixou mossa, e Platini compreendeu que nunca iria vencer a única coisa que lhe faltava vencer a um jogador da sua grandeza, o Mundial de futebol.

Tendo chegado tarde ao estrelato e saído de lá cedo deixou a sua marca e um lastro de brilho que perdurou, ao ponto de ainda hoje se discutir quem foi o melhor jogador francês de todos os tempos, se ele ou se Zidane.

A queda dum anjo - zidane

Finda a carreira segue-se uma curta carreira de treinador, com poucos sucessos a assinalar, frustrando a esperanças de muitos adeptos que pensaram que com a sua personalidade fortíssima iria ser um grande treinador.

Seguiu-se a vida nos gabinetes, que foi alavancada com a Presidência do Comité organizador do Mundial de 1998.

A queda dum anjo na FIFA

Seguiu-se a Presidência da UEFA durante quase uma década, no qual as polémicas e acusações de corrupção se foram acumulando.

O auge da controvérsia terá mesmo sido a escolha do Qatar para país organizador do Mundial de 2022, que agora está a ser investigada e que foi polémica desde o primeiro dia, na qual Platini desempenhou um papel de liderança do processo enquanto Presidente da UEFA.

Platini foi arrastado pelo desenlace do caso, tendo-se visto obrigado a demitir em 2015 por força do processo judicial aberto nos Estados Unidos contra a FIFA.

A queda dum anjo

A queda dum anjo no qatar 2022

A última vez que ouvimos falar no nome de Platini também não tinha propriamente sido por boas razões, soube-se há um par de anos que o seu nome contava dos famosos Panamá Pappers, e que portanto tinha andado envolvido em lavagem de capitais em paraísos fiscais.

Esta notícia de hoje pode muito bem ser a consequência derradeira de uma investigação que então começou.

Não podemos perder a memória. Aconteça o que acontecer Michel Platini é um dos melhores jogadores da história do futebol.

A queda dum anjo em frança

Por isso mesmo esta notícia é tão dolorosa para os amantes do desporto Rei, e obriga por isso à reflexão.

Como o Calisto de Camilo este homem teve sonhos, e como Calisto conseguiu atingir a grandeza e o poder. O que é trágico é que, como Calisto, não soube direccionar as suas escolhas, e traiu a paixão e fé que milhões de adeptos depositaram nele – A queda dum anjo

O facto de ter sido um mito do futebol, e não um vulgar Blatter ou Havelange, não fez com que fosse diferente de um qualquer Bratter ou Havelange.

Os adeptos que o defenderam podem legitimamente sentir-se traídos, de um jogador esperava-se mais.

Esperava-se acima de tudo que fosse fiel a si mesmo, e ao significado do seu legado para milhões de adeptos do jogo – A queda dum anjo!

Acompanha já todos os artigos,prognósticos e Audiotip do nosso Tipster Pedro Pita Soares

A Operação Oikos – Toda a verdade

O futebol espanhol está em choque – Operação Oikos

 

operação OikosNa semana passada foi preso o ex-jogador do Real Madrid Raúl Bravo, o alegado cabecilha de uma rede de viciação de resultados desportivos, e com vários ex-jogadores da primeira e da segunda divisão – Operação Oikos

 

 

Era o inicio da operação Oikos, que ameaça tornar-se no maior escândalo da história do futebol espanhol.

Diga-se que a corrupção no fenómeno desportivo derivada de apostas é um fenómeno de criminalidade que não é uma originalidade espanhola, e que é comum na actualidade, que se difundiu e multiplicou com a profusão de apostas na actualidade.

Contudo sociologicamente o padrão é ser muito comum nos jogos entre clubes pequenos, uma vez que nestes clubes os atletas recebem valores modestos, logo supostamente são mais facilmente corruptíveis.

policia operação oikos
O primeiro alvo da investigação foi o Huesca, que viu o seu Presidente Augustin Lasaosa ser detido e se arrisca a uma sanção muito pesada por alegadamente ter vendido o jogo da Liga Adelante do ano passado no Alcoraz contra o Nastic, num momento em que já tinha assegurado matematicamente a subida de divisão.

Falou-se também em jogos do Deportivo, do Lugo e ouviu-se de imediato um rumor sobre o Valladolid.

Ontem o diário El Mundo lançou uma verdadeira bomba de consequências inimagináveis. O Valladolid-Valência da última jornada desta temporada está a ser investigado, e há fortes indícios de ter sido comprado.

Acrescentou o teor das escutas, onde o tal grupo alegadamente liderado por Raúl Bravo dizia ter corrompido sete jogadores do Valladolid.

Uma das figuras que parece estar a ser cercado é o dono da SAD do Valladolid, nada mais nada menos que Ronaldo Nazário, o fenómeno, um dos melhores jogadores da história do futebol, cujas ligações suspeitas a Raúl Bravo remontam ao tempo em que foram companheiros de equipa no Real Madrid.

Por enquanto ainda não se comprovou que soubesse antecipadamente de nada, mas é bastante estranho que o dono do Valladolid tenha alegadamente jantado na semana passada com Borja Fernandéz, o capitão da equipa que é um dos arguidos da Operação Oikos.

oikos ronaldo
Com tudo isto é toda uma competição que fica sob suspeita.

Há clubes terceiros envolvidos, designadamente o Getafe e o Sevilha, mas a investigação promete não ficar por aqui, uma vez que Samuel Sainz do Getafe também está envolvido, e que isso pode querer dizer que o clube madrileno esteja envolvido na teia de corrupção.

Enquanto o fenómeno se confinou ao Lugo e ao Depor havia um sentido de normalidade, no fundo é a pequena corrupção das apostas, que já se investigou em muitos sítios, como em Portugal por exemplo.

Mesmo os casos do Huesca ou do Valladolid não escandalizavam, são emblemas regionais mas relativamente menores na história do futebol espanhol, mas o problema aqui chama-se Valência.

oikos espanha

A questão é que o Valência, um grande clube sob qualquer ponto de vista, um dos cinco maiores emblemas do futebol espanhol juntamente com Real, Barça, Atleti e Athletic, não era suposto pertencer a este filme. O Valência pertence à realeza, não era suposto andar envolvido neste mundo das pequenas vigarices.

Ora vejo muita gente a falar na perda do quarto lugar, que sim é importante mas insignificante quando o principal problema é que o Valência ( sim o Valência!) arrisca descer de divisão por vários anos, e o Valência não é nem o Huesca, nem o Valladolid, nem o Deportivo, é um clube de uma dimensão brutal no futebol da sua região e do país.

É um clube com milhões de adeptos, e é simplesmente inimaginável a Liga sem o Valência.

Ora aqui coloca-se uma questão nova, e na qual aparentemente os regulamentos da Liga espanhola são omissos.

Não está até agora comprovado que tenha havido envolvimento de ninguém do Valência na compra do jogo, ou seja foram os apostadores que subornaram os jogadores do Valladolid.

Não se sabe se os valencianos sabiam disso, e é uma questão interessante do ponto de vista jurídico é se devem ser sancionados por actos de terceiros, uma vez que podem ter beneficiado da prática de um crime, sem que tivessem sabido disso.

Veremos qual o enquadramento que o comité de disciplina da Liga dará ao caso.

Valladolid na operação Oikos
Interessante igualmente é recordar o jogo pela estranheza que isso provoca sabendo o que hoje sabemos.

 

 

O Valladolid dominou o jogo, perante um Valência muito apático, mas que foi extremamente eficaz.

Quem me conhece sabe que então fui bastante crítico do Valência, que jogando uma final se apresentou de um modo bastante displicente, mas enfim foram eficazes e pensei que era futebol, o Barcelona por exemplo também passou o ano inteiro a jogar mal e a ganhar os jogos assim.

Acresce a isto que os dois golos do jogo, que acabou 0-2 com um golo em cada parte( nota: resultado que os apostadores diziam nas escutas que se iria verificar…), sendo que os dois golos nascem de falhas da defesa do Valladolid na saída de bola.

Uma tremenda ingenuidade da defesa, foi o que se escreveu então, que aparentemente não terá sido assim tão ingénua.

O futebol espanhol irá sobreviver a isto, tal como por exemplo o futebol italiano ao Calcio Caos.

 

Mas ficará sempre a sombra da suspeição, como dizia ontem o jornalista Jose Damian Gonzales depois do que se passou os erros humanos de um futebolista vão ser sempre suspeitos.

Numa altura em que La Liga está numa competição desenfreada com os principais campeonatos europeus esta notícia é terrível, uma vez que mancha a credibilidade e reputação da competição e dos seus resultados.

juventus-cr7
E voltando ao Calcio Caos a descida da Juventus e do Milan marcou o início de uma década de profunda decadência do futebol italiano, da qual parece estar só agora a recuperar, pelo que a corrupção tem consequências, afasta do futebol os investidores, os patrocinadores, e em última análise afasta até os adeptos.

A queda de um colosso da dimensão do Valência terá portanto consequências, ninguém tenha a menor dúvida disso.

Barcelona vs Valência – Final da Taça do Rei – Espanha

Sábado às 20.00, o Estádio Benito VillaMarín na cidade de Sevilha acolhe a final da Copa de su Majestad el Rey, uma prova centenária do calendário do futebol espanhol – Barcelona vs Valência 

Barcelona vs Valência Os finalistas são dois clássicos do futebol espanhol, um deles colossal e outro a caminho de reencontrar o seu posto natural entre os grandes clubes – Barcelona vs Valência 

 

O Valência chega a Sevilha cheio de ilusão e de vontade de triunfar. Vem de uma época muito conturbada que começou muito mal e terminou de forma saborosa ao assegurar o quarto posto da Champions sob a linha de meta.

 

Marcelino Toral, muito contestado durante quase toda a temporada pela exigente afición Che, soube passo a passo encontrar o caminho para o sucesso, e esta final da Taça é um justo prémio para a perseverança da equipa.

À sua frente estará um Barça ferido no seu orgulho pela humilhação em Anfield, que expôs à saciedade todas as imperfeições e costuras da equipa de Ernesto Valverde.

Uma equipa que ainda não recuperou da tremenda paulada que apanhou, e que terá que acordar a tempo se não quiser apanhar outro desaire. Mas ainda assim uma equipa que tem Messi, sendo incrível que tendo jogado nesta um futebol tão mediano e entediante como o do Real Madrid estivesse a ponto de ganhar tudo, por causa da irreal temporada do seu mago argentino.

valência
Para chegar a esta final Valência, depois de eliminar o Ebro e o Sporting de Gijón, equipas de escalões inferiores, teve como obstáculos finais o sensacional Getafe de Bordalás e o Betis de Quique Setién, que estava motivadíssimo pelo facto de saber que iria disputar a final em casa.

Contra o Getafe foi uma eliminatória muito dura, uma vez que os valencianos perderam no Colisseum por 1-0, e ao intervalo estavam a perder por 0-1 no Mestala, tendo obtido uma vitória heróica por 3-1 com dois golos nos descontos a carimbarem a passagem em frente. Contra o Betis a equipa mostrou ser simplesmente mais forte que os andaluzes.

Um percurso mais ou menos acessível, mas no qual a equipa mostrou ter a competência e empenho para vencer quando vieram os obstáculos mais complicados.

Barcelona
O percurso do Barça nesta Copa del Rey foi muito atribulado. Depois de ter eliminado naturalmente a Cultural Leonesa, encontrou o Levante nos oitavos, perdendo em Valência num jogo marcado pelo polémico alinhamento indevido do Barça( não reclamado em prazo útil pelos valencianos), tendo depois Messi tido que resolver na segunda mão com um 3-0.

Barcelona vs Valência

 

Quartos com o Sevilha o mesmo enredo, Barça perde por 2-0 a primeira mão no Sánchez Pizjuán, Messi entra em campo na segunda mão e os andaluzes são despachados com um 6-1.

Chegam as meias finais com dois clássicos contra o Real Madrid, e na primeira mão a equipa tem dificuldades para assegurar um empate a um no Camp Nou.

Qualquer dúvida que houvesse sobre a equipa ficou dissipada uma semana depois no Bernabeu, com o Barça a impôr-se com muita categoria e naturalidade por 0-3.

barcelona e messi

Um percurso feito de remontadas surpreendentes na quais o Barça mostrou de forma inequívoca ser a mais forte equipa espanhola da atualidade, sobretudo pela forma autoritária como eliminou o Real Madrid.

Em termos históricos o Barça procura um inédito penta na Copa, uma vez que ao vencer as últimas quatro edições da prova igualou as proezas do Real Madrid e do Athletic.

Para além disso o Barça pode revalidar o seu doblete, e aumentar o seu número record de Copas del Rey para 31, sendo que para além disso Messi poderá ainda aumentar o seu score como melhor marcador da prova com uns irreais 50 golos apontados.

O Valência procurará ganhar a sua oitava Copa, tendo vencido a última há uma década, em 2008. Os dois jogos entre as equipas na Liga deste ano foram muito interessantes.

Em Outubro no Mestalla o Valência começou por dar um verdadeiro banho de bola ao Barça, naquela que foi a primeira vez na temporada que a equipa deu uma grande sensação de fragilidade, que se iria repetir ao longo da temporada.

Marcou um golo, e poderia ter marcado quatro, até que apareceu Messi, e tal como sucederia muitas vezes ao longo da época, marcaria e salvaria o Barça. Final do jogo, o resultado foi 1-1, que poderia ter tido muitos mais golos.

Barcelona vs Valência jogador_goncalo_guedes
Em Fevereiro o Valência volta a dar um verdadeiro recital no Camp Nou, e à meia hora vence por 0-2. Novamente aparece o suspeito do costume, Messi, sempre ele, que aponta dois golos e iguala um jogo em que o Barça esteve completamente à deriva, jogando um futebol aos repelões e desligado.

Barcelona vs Valência

 

Final do jogo, que ficou empatado a 2, mas poderia ter tido mais golos.
Acrescem a este cenário as lesões do Barça. Súarez e Coutinho não jogam, ao passo que Dembelé e Arthur estão em dúvida.

Barcelona vs Valência treinador do barcelona Ernesto Valverde

Nota-se igualmente muita preocupação pela recuperação a tempo do guarda-redes Ter Stegan. Muitas dores de cabeça para a formação de Ernesto Valverde, um treinador que está a sofrer uma forte contestação dos adeptos blaugrana.

A decisão de operar Súarez depois de Anfield também não está a ser bem digerida pelos adeptos, uma vez que nem o uruguaio não se sacrificou para jogar esta final, nem o clube achou que fosse importante tê-lo num jogo tão crucial.

No Valência Garay e Cheryshev são as duas principais preocupações de Marcelino, sendo certo que vão os dois falhar a final.

Dois jogadores importantes na formação valenciana, sobretudo o central argentino, uma peça nuclear da equipa, que priva o centro da defesa de uma peça muito importante.

Barcelona vs Valência de Pedro Pita Soares
Vistos estes pressupostos vejo valor nas seguintes linhas. Não vou na linha óbvia de Messi a marcar a qualquer porque me parece que a Odd é demasiado baixa( 1.50 de Odd )

BTTS e over 2.5 @ 1.80 na Tripbet

Over 3 @  1.80 na Tripbet

Para além destas duas linhas vejo valor numa small stake numa linha especial.

Messi a marcar o último golo do jogo @ 3.05 na Tripbet

Valladolid vs Valência e o Balanço da La Liga

Valladolid vs Valência – Este fim-de-semana chega ao fim La Liga, prova que este ano foi, mais uma vez, dominada do princípio ao fim pelo Barcelona de Messi.

 

Valladolid vs Valência A grande desilusão voltou a ser o Real Madrid, que passou uma temporada muito atribulada de que os três treinadores que teve são disso testemunho – Valladolid vs Valência

 

 

Creio que é tempo de fazer um balanço

Vejamos a classificação final da prova na temporada passada:

valladolid vs valencia

 

Vejamos agora a classificação actual da Liga, com uma jornada por disputar:

valladolid vs valencia

Façamos um balanço do que é comparável, que não inclui quer as equipas que desceram na temporada passada, quer as que subiram.

Barcelona:

Este foi do ponto de vista futebolístico o Barça mais cinzento da última década. Em relação à temporada passada a equipa tem menos pontos, menos vitórias, menos golos marcados, mais golos sofridos.

Salvou-se Messi, e pouco mais. Ainda assim mais uma dominou a prova como quis de principio ao fim, conquistando a oitava Liga em onze anos, o sinal de uma hegemonia total.

Valladolid vs Valência

 

Atlético de Madrid:

Volta a ser segundo classificado, à frente do seu arqui-rival Real Madrid, mas esta foi uma temperada repleta de fracassos, os maiores a eliminação na Champions às mãos da Juventus e da Copa del Rey às mãos do modesto Girona.

 

Salvou-se a Supertaça Europeia ganha ao Real Madrid, mas a equipa deu a sensação de decadência e claros sinais de envelhecimento, apesar dos números continuarem a ter aquela regularidade das equipas de Simeone.
Real Madrid.

Um verdadeiro desastre esta primeira temporada depois da saída de Cristiano Ronaldo, e dos seus 50 golos por ano.

Valladolid vs Valência

Começa por perder a Supertaça Europeia para o Atleti, faz uma fase de grupos miserável na Champions, é eliminado da Copa del Rey pelo Barcelona com um 0-3 no Bernabeu, leva 5-1 no clássico do Camp Nou sem o Messi, é eliminado da Champions pelo Ajax, enfim todo um cardápio de horrores. Bateu um record do clube, esta foi a primeira equipa do Real Madrid que sofreu 11 derrotas numa edição de La Liga.

 Valência – Teve um principio de temporada terrível, marcado pelas lesões de jogadores nucleares da equipas, chegou a andar a lutar por não descer, mas lentamente a equipa de Marcelino soube achar o seu posto nesta Liga.

Olhando para a globalidade da temporada chegou às meias-finais da Liga Europa, e está na final da Copa del Rey, e na última jornada conseguiu finalmente chegar ao ambicionado quarto posto da Champions, o que não é nada mau.

Claro que comparando temporadas a mediania futebolística ressalta no facto do Valência ter menos 16 golos e 15 pontos que na temporada passada, mas fica uma boa imagem final.

Getafe:

A grande sensação da prova neste ano, tendo andado boa parte da temporada no quarto posto da Champions.

É das equipas mais impressionantemente regulares sob o ponto vista estatístico, se vencer o Villareal na última ronda o Getafe fará exactamente os mesmos 58 pontos que tinha feito na temporada passada, e a esta altura da prova tem exactamente o mesmo número de golos sofridos( 33) que na temporada passada.

Um autêntico relógio suíço esta máquina de Bordalas, que ainda sonha com um escorregão do Valência que lhe permita atingir o quarto posto da Liga.

Sevilha
Sevilha:

Tal como sucedeu na temporada passada o Sevilha voltou a ter um péssimo final de temporada. Se a doença de Caparrós começou por unir o grupo, esse efeito foi passando, e a equipa mostrou uma enorme fragilidade neste final de temporada.

A época fica marcada pela terrível eliminação da Liga Europa às mãos do Slavia de Praga, a equipa teve alguns picos altos, o maior vencer o Real Madrid por 3-0 no Sánchez Pizjuán, mas deu sempre a sensação de ter uma defesa lenta e macia, e que vacilou na parte final.

atl madrid
Athletic:

Os bascos tiveram uma primeira metade da temporada horrível, tendo pairado a sensação que uma inédita descida de divisão iria acontecer. Fruto de uma grande segunda volta o Athletic conseguiu meter-se no sétimo posto que dá direito à Liga Europa, precisando de um ponto para assegurar este posto, que disputa com o seu arqui-rival Real Sociedad,

Mais um ano em que os bascos se mantiveram fieis à sua política identitária, mas começa a crescer a pressão para o Athletic contratar não bascos, sobretudo porque se dá o paradoxo dos Leões serem neste momento um clube muito sólido financeiramente, dos mais ricos de Espanha, fruto das vendas que tem feito nos últimos anos.

Valladolid vs Valência

A Real Sociedad de San Sebastian teve uns furos abaixo do que se esperava, mas acaba esta temporada em grande. Fez mais pontos, e mostrou ser uma equipa mais equilibrada na temporada passada, sofrendo menos golos e marcando menos golos.

Fica a excelente imagem da ponta final, é um clube histórico, continua firmemente estabilizado na Liga, a questão é se pode consolidar um projecto para ser um clube que vá mais vezes à Liga Europa.

O Espanyol de Rubi teve um extraordinário inicio de temporada, no qual foi uma das equipas que jogou um futebol de maior qualidade na Liga. Vieram as lesões e uma quebra brutal, na qual a equipa chegou a ameaçar descer, mas na ponta final a formação barcelonesa recuperou sensações e resultados.

Tudo somado mais irregularidade, menos irregularidade, o Espanyol fez uma prova em que teve números em tudo semelhantes aos da temporada passada.
Betis.

A segunda temporada de Quique Setién à frente do Real Betis Balompié foi marcada pelo fracasso, e a contestação ao técnico dos andaluzes parece que torna inevitável a sua saída no fim do ano.

A eliminação da Liga Europa às mãos do Rennes, e na meia-final da Copa del Rey pelo Valencia marcaram muito do destino deste Betis, cujo futebol encantador do ano passado parece ter-se tornado mais especulativo e inconsequente. Os 18 golos a menos e os 13 pontos a menos apenas plasmam em números aquilo que se viu em campo.

Alavés:

Os bascos de Vitória estiveram muito tempo a lutar pelo quarto posto de Champions, fruto de apresentarem uma equipa com um futebol muito organizado e veloz, e orgulhavam-se de dizer que eram o clube mais bem classificado do País Basco.

 

No final do ano pagaram uma factura muito pesada por terem andado em voos muito altos. Interessante que acabam com números muito semelhantes aos da temporada passada, sendo que no ano passado a temporada teve o sentido inverso ao da actual, começaram muito mal e acabaram em grande.


Eibar:

Os anos passam e o milagre continua. Uma equipa de uma pequena terra basca que, ano após ano, se mantém em La Liga, com um orçamento muito inferior ao dos restantes competidores.

Esta foi talvez a temporada mais tranquila do Eibar desde que está no escalão principal do futebol espanhol, soube consolidar processos, e esteve sempre a meio da tabela. Vinha de um ano de ouro, no qual obteve a melhor classificação de sempre do clube, e não é nada fácil repetir uma temporada tranquila.

Leganés:

Os madrilenos foram durante muito tempo mais uma equipa a lutar pelos postos europeus, tendo sofrido uma tremenda queda no final da temporada.

Para um clube que luta pela permanência foi uma época a todos os títulos excelente, mas tendo em conta o que podia ter sido foi uma temporada que soube a pouco, sobretudo quando olham para o sítio onde estão os seus arqui-rivais do Getafe. Os números são em tudo semelhantes aos da temporada passada.


Villareal:

A grande desilusão da prova, uma equipa que foi formatada para lutar por um posto europeu, e acabou a lutar duramente por não descer de divisão.

A equipa jogou francamente mal durante boa parte da temporada, tendo uma boa prova na Liga Europa compensado o que não fizeram em Espanha.

Os menos 18 pontos e 10 golos marcados que na temporada dizem tudo, uma temporada para esquecer.

Valladolid vs Valência

Levante:

Uma das equipas mais interessantes e excitantes de La Liga, jogou um futebol francamente bonito e ofensivo, para se ter uma noção acabou com mais golos marcados que o Atleti.

Em compensação a sua defesa foi o seu grande calcanhar de Aquiles, tendo por causa disso sofrido bastante na ponta final para assegurar a permanência no escalão principal. É uma equipa cada vez consolidada na primeira divisão.


Celta de Vigo:

Matematicamente ainda não assegurou a permanência, mas quase, na justa medida em que tem seis golos de vantagem, e precisaria de perder o último jogo nos Baliados, e que o Girona goleasse.

Ainda assim esta temporada foi muito atribulada, três treinadores, a lesão de Aspas, muito sofrimento. Yago Aspas, o mago da equipa, recuperou a tempo de conseguir um forcing final que assegurou in extremis a permanência.

Uma equipa que precisa de reflectir nas suas tremendas debilidades neste defeso.
Girona. Um desastre estrepitoso na segunda volta condenou os catalães a uma mais que certa descida de divisão.

O problema das equipas com planteis curtos é este, quando se lesionam jogadores nucleares não têm outros com categoria para os substituir, a certa altura da temporada deu a clara sensação de terem atirado a toalha ao chão.

O exemplo de um clube que subiu demasiado alto, fruto da sua profunda ligação ao independentismo catalão, mas não soube consolidar uma milonga que tentou vender, a do novo derby catalão entre eles e o Barça.

Valladolid vs Valência

Um derby precisa de contrastes, e o derby de Barcelona entre Barça e Espanyol é centenário, e tem profundas raízes políticas e sociais, o Barça não tem, nem nunca terá, nenhuma rivalidade com o Girona, porque o Girona simplesmente não é do seu nível.

Valladolid vs valencia

Prognóstico – Valladolid vs Valência

 

O Valência visita o José Zorilla numa situação vantajosa para assegurar o importantíssimo quarto posto da Champions.

As suas contas são muito simples, ganha e é quarto. Se empata ou perde o Getafe terá que fazer o mesmo resultado, sendo que se o Sevilha vencer podem acabar três equipas em igualdade pontual, o que complica as suas contas.

 

Portanto as contas do Valência são simples: vencer. Enfrenta um Valladolid que se salvou na última ronda, e que portanto irá jogar este jogo em fase de descompressão depois de ter passado boa parte da temporada abaixo da linha de água. Uma equipa forte em casa, que habitualmente marca.

Pedro-Pita-Soares
Penso que o Valência não sabe defender, pelo que a forma como vai enfrentar o encontro do José Zorilla é a vertigem e a busca do golo. Também acredito que o Valladolid marque, pelo que vejo valor nas seguintes linhas.

 

BTTS @ 1.85 na Tripbet

Over 2.75 @  1.85 na Tribet

 

Numa small stake, gosto igualmente de uma linha especial:

 

BTTS e Valência @ 3.0 na Tripbet

Tondela vs Chaves – Liga NOS

Tondela vs Chaves – Domingo às 17.30, enquanto benfiquistas e portistas estiverem na ressaca emocional de um Sábado de grandes decisões, a cidade de Tondela recebe um jogo decisivo na permanência na Liga Nos, entre o Tondela e o Chaves.

 

Tondela vs ChavesÉ uma situação quase única na história do nosso Campeonato, já que tudo se irá decidir numa final, num confronto directo, ambas em igualdade pontual, mas com vantagem para a formação visiense – Tondela vs Chaves

 

Um confronto entre dois clubes de duas regiões do interior do país, aliás diria que são os dois únicos verdadeiros representantes do interior, numa Liga cada vez mais litoralizada.

Duas regiões infelizmente desconhecidas para a maioria dos portugueses, tão preocupados em visitar o último recanto das antilhas, e tão pouco conhecedores do verdadeiro tesouro que os nossos antepassados nos legaram.

Tondela é uma pequena cidade do distrito de Viseu, mais conhecida por ser a terra de origem de alguns dos melhores vinhos da região demarcada do Dão.

Uma terra particularmente martirizada pela terrível vaga de incêndios que em 2017 devastou o centro do nosso país em Junho e em Outubro.

Tondela vs Chaves
Do ponto de vista competitivo o Tondela é um clube recente, já que há quinze anos disputava os campeonatos distritais de Viseu.

Fruto de um projecto sustentado, passo a passo, o clube foi galgando divisões até que há 4 anos chegou à primeira divisão, onde se mantém até à presente temporada.

Ao nível dos treinadores também houve relativa estabilidade, tendo estado Petit nas duas primeiras temporadas e Pepa nas duas últimas.

Tondela vs Chaves

Esta temporada do Tondela foi marcada pela irregularidade. Depois de um mau início de Liga, a equipa chega a Janeiro e reage, tendo conseguido inclusivamente vencer o Sporting em casa nessa fase.

 

Depois desse pico positivo a equipa foi descendo, descendo, descendo, até ao posto periclitante onde se encontra agora.

Nota muito importante: É uma das piores equipas fora de casa da Liga, ao passo que no Estádio João Cardoso é uma equipa com os padrões de comportamento normais das equipas do meio da tabela em Portugal.

Tondela vs Chaves
O Clube Desportivo de Chaves é o ilustre representante de Trás os Montes na Liga NOS. O reino maravilhoso de Miguel Torga, que nesse conto dizia que “fica no cimo de Portugal, como os ninhos ficam no cimo das árvores para que a distância os torne mais impossíveis e apetecidos.”

Terra de alguns dos lugares mais belos e escondidos do nosso país, de alguma da mais requinta culinária, terra de bruxas e superstições, e sobretudo dos orgulhosos transmontanos, os tais que vivem para lá do Marão e mandam na terra deles.

Quando os romanos dominaram a península ibérica criaram a cidade de Aquae Flavea perto de um importante centro de minérios, que originou Chaves, de que a Ponte de Trajano à entrada da cidade é disso fiel testemunha. É aliás por isso que os naturais de Chaves se designam flavienses.

Para se compreender a importância da cidade na história de Portugal foi nela que foi impresso o primeiro livro em português.

Tondela vs Chaves

O clube da terra, o Desportivo de Chaves, era o típico clube de sobe e desce que nos anos oitenta teve um breve período de ouro sob o comando de Raúl Águas, que apanha o clube na IIª divisão e a conduz até à UEFA, contando com jogadores como Slavkov, Radu e Vermelhinho, que chegara do Porto em final de carreira.

Nos últimos vinte anos o clube tinha entrado em decadência, havendo apenas a destacar o facto de terem atingido a final da Taça de Portugal em 2010, que perderia de um modo muito digno para uma equipa então na segunda divisão pela margem mínima contra o Futebol Clube do Porto.

O cenário do Chaves era este até que, há três anos, resolveram apostar no grande treinador Vítor Oliveira, e como se sabe isso normalmente é sinónimo de sucesso na segunda Liga e de subida.

Na época passada o Chaves acertou em cheio na escolha do seu treinador com a contratação de Luís Castro, que fez um trabalho absolutamente notável, premiado com um brilhante sexto posto na Liga, e o record de pontos na prova.

Tondela vs Chaves

Tondela vs Chaves

Este ano a formação flaviense não foi nada feliz, em vários aspectos. Antes de mais as saídas de alguns dos jogadores mais importantes da temporada passada não foram colmatadas, e a isso acresceram as duas chicotadas psicológicas de Diogo Ramos e de Tiago Fernandes, tendo José Mota tentado vir equilibrar o barco neste final de temporada.

Nota interessante: o Chaves tem feito uma temporada bastante razoável fora de casa, tendo por exemplo sido muito importantes para as esperanças da equipa em permanecer na Liga as recentes vitórias na Vila das Aves e em Moreira de Cónegos, e onde mais tem falhado tem sido nos jogos no seu reduto, no Municipal de Chaves.

Estão reunidos portanto todos os condimentos para um jogo interessante e competitivo, onde se joga uma época inteira em 90 minutos.

A formação de Pepa, para além de jogar em casa, tem a vantagem e desvantagem de poder jogar com dois resultados. A vantagem porque o facto do empate lhe servir é muito importante, já que são os flavienses que estão numa situação de must win.

Tondela vs Chaves

Mas precisamente isso muitas vezes é uma desvantagem na justa medida em que o plano da formação de Zé Mota é muito simples, ganhar e ficar na primeira divisão, não o fazer e descer, ao passo que há o risco real do Tondela querer defender um empate e acabar derrotado de forma inglória.

Quanto a golos o Tondela em casa apontou 17 golos em 16 jogos, e sofreu 22, ao passo que o Chaves fora apontou uns escassos 12 golos, tendo sofrido 29.

Tondela vs Chaves

Disciplinarmente o Tondela é uma das equipas mais duras da Liga, tendo por exemplo sido penalizado com 14 expulsões nesta Liga, ao passo que o Chaves tem uma folha disciplinar muito mais limpa, apenas sofrendo 5 expulsões, um registo muito interessante porque ser inferior por exemplo ao do Sporting(6) ou do Benfica(7).

Tondela vs Chaves

Vejo valor numa linha – Tondela vs Chaves

BTTS e Over 2.5 @ 1.90 na Tripbet

São duas equipas que defendem mal e sofrem muitos golos, e o Chaves vai ter que atacar, logo poderá marcar e sofrer.

Vejo igualmente valor em apostar num jogo com Over 4.5 nos cartões, quando esse mercado abrir.

O Tondela é uma equipa forte neste domínio, e é uma final em que as equipas vão ter que dar tudo.