Apostas no futebol a sua história actual

Apostas no futebol  – Desde há muito que os apostadores têm sido tentados pela oferta de enormes retornos com uma parada mínima.

apostas no futebolNo entanto, o caminho para tais grandes retornos é enormemente influenciado pelas casas de apostas de muitas formas diferentes – apostas no futebol !

Sabe quanto controlo as casas de apostas têm sobre aquilo em que os seus clientes escolhem apostar?

 

Continue a ler para ficar a conhecer o verdadeiro valor de algumas das formas de apostas mais tradicionais.

 

O truque mais antigo do livro

De modo idêntico ao que acontece com a lotaria, a ideia de ganhar uma quantia de dinheiro capaz de mudar a nossa vida com uma pequena aposta é suficiente para fazer com que as pessoas apostem.

Muitos apostadores julgam que a diferença entre as apostas e a lotaria é o facto de terem mais controlo mas, dependendo daquilo em que se aposta, esse não é necessariamente o caso.

Algumas casas de apostas terão uma influência considerável naquilo em que os apostadores escolhem apostar.

Às vezes, isto é feito através de complexas campanhas de marketing que destacam um evento, ao fazerem ofertas especiais e ao “impulsionarem” probabilidades específicas num dado mercado, ou ao apresentarem determinados tipos de apostas num formato fácil de usar.

apostas em handicaps

 

As casas de apostas passaram agora a fornecer uma opção de resultados aleatórios (a chamada “lucky dip”) e a “depurar” as apostas – quer pedindo aos apostadores que escolham as probabilidades que desejam e escolhendo “aleatoriamente” as seleções que eles pedem ou oferecendo uma seleção de apostas pré-feitas a partir de onde os apostadores podem escolher.

Mollybet PT

À medida que as casas de apostas controlam cada vez mais onde os apostadores colocam o seu dinheiro, as hipóteses de ganhar o muito desejado “jackpot” tornam-se ainda mais reduzidas do que já são.

O início das apostas no futebol

As apostas no futebol eram originalmente uma forma de entretenimento. O sistema do totobola utilizado no Reino Unido – concebido por Littlewoods em 1923 – é um desses exemplos.

Famoso por oferecer uma elevada recompensa financeira com uma pequena parada, os fãs recebiam um cupão no exterior dos estádios e preenchiam-no com o que achavam que seriam as pontuações ou os resultados mais prováveis.

A história das apostas no futebol

 

Depois, os cupões passaram a ser retirados de um jornal, preenchidos e posteriormente enviados pelo correio ou entregues a um agente de recolha do totobola.

Littlewoods viria a sugerir que os jogos escolhessem ou limitassem o número de opções, mas havia sempre a garantia de, pelo menos, um vencedor por semana utilizando um sistema de pontos.

Um sistema semelhante – o “pari-mutuel” – teve origem em França como um método para apostar nas corridas de cavalos, e é a base de produtos semelhantes por todo o mundo – o Tote (no Reino Unido), o TAB (na Austrália).

O facto de estes formatos funcionarem ao agruparem todas as apostas ou participações e pagarem com base em dividendos (ficando o proprietário do jogo com a sua parte) significa que os retornos normalmente oferecem um valor inferior à probabilidade real dos resultados escolhidos – funcionando como as probabilidades das casas de apostas nesse aspeto.

Uma das vitórias mais famosas no totobola foi a de Michael Elliott, que ganhou 3 001 511 libras com a sua aposta de 2 libras depois de prever correctamente oito empates a 2-2 em 2010.

Se uma aposta semelhante fosse feita actualmente na Pinnacle – mesmo que todas as oito selecções fossem as probabilidades mais baixas que actualmente oferecemos para um empate* de 2-2 – o retorno seria de 428 717 760 libras.

Com um valor inferior de quase 150 vezes – ou uma diferença de 425 716 249 libras – comparativamente com o que uma aposta semelhante ofereceria de retorno na Pinnacle, assim de repente, a vitória do Sr. Elliott já não parece um valor tão grande.

O totobola continuou a ser uma das formas mais populares de apostas até as lojas de apostas começarem a abrir e os apostadores passarem a ter formas mais convenientes de apostar.

Embora a empresa que recebe as apostas e o formato em que os apostadores arriscam o seu dinheiro tenham mudado ligeiramente, o conceito de “depurar” as apostas não mudou.

Totobola

O aparecimento das lojas de apostas

Durante a década de 1960 e até à década de 1990, abriram lojas de apostas a um ritmo alucinante.

Embora estas lojas oferecessem probabilidades em corridas de cavalos, corridas de cães e diversos outros desportos, o futebol tornou-se cada vez mais o centro das atenções dos apostadores amadores, especialmente à medida que os jogos passaram a ser exibidos na televisão.

 

As casas de apostas conceberam os seus próprios cupões ao estilo do totobola com probabilidades depuradas para as várias combinações dos resultados nos jogos.

Inicialmente, estes cupões com apostas acumuladas tinham condições que tinham de ser cumpridas para se poderem receber as probabilidades específicas. (Surpreendentemente, as apostas únicas só estavam disponíveis em jogos ao vivo).

Com menos em que pensar e menos opções entre as quais escolher, este formato pode ter facilitado a vida dos apostadores, mas colocou-os involuntariamente em maior desvantagem.

A história das apostas no futebol

 

As casas de apostas podem criar um cupão para prever os resultados de jogos difíceis e tornar estas escolhas difíceis mais apelativas ao combiná-las numa aposta única com o que parecem probabilidades incrivelmente elevadas, mas onde a margem cumulativa é extremamente elevada.

Como exemplo, um destes cupões tradicionais oferecia probabilidades de 26,00 para a previsão correta de três empates.

No entanto, se escolhesse as probabilidades mais curtas atualmente disponíveis para três empates na EPL na Pinnacle, a tripla (múltipla com três resultados possíveis) teria probabilidades de 31,340.

Quando considera que uma aposta de 100€ produziria uma diferença de 534€ em termos de lucro utilizando os exemplos acima mencionados, o custo de utilizar um cupão para fazer uma aposta depressa se torna evidente.

Passar a apostar na Internet e em dispositivos móveis

Embora menos pessoas possam hoje em dia visitar efetivamente as lojas de apostas, os populares cupões – com as suas recompensas elevadas e com custos mínimos – continuam disponíveis na Internet e em dispositivos móveis.

Os cupões tradicionais com apostas acumuladas são talvez os mais populares, mas os apostadores também recebem um cupão BTTS (ambas as equipas marcam, both teams to score), entre muitos outros.

As casas de apostas podem ser mais discretas na forma como prejudicam os apostadores, mas isso ainda acontece.

A atração de escolher quatro jogos, em que ambas as equipas pontuarão com probabilidades de 4,50, seis jogos a 11,00 ou oito jogos a 25,00, advém da nossa dificuldade inata em tomar decisões estatísticas inteligentes.

Os apostadores centram-se na recompensa elevada com um custo baixo, sem pensarem muito nas possibilidades nem em se as probabilidades oferecidas neste tipo de cupão são um reflexo verdadeiro da probabilidade de as seleções feitas ganharem.

Normalmente, as casas de apostas oferecerão probabilidades de cerca de 1,67 para ambas as equipas marcarem num jogo e de 2,10 para ambas as equipas não marcarem. Portanto, os apostadores têm não só de encontrar uma vantagem e bater a margem de 7,6% da casa de apostas, mas também têm de fazê-lo quatro, seis ou oito vezes, com a margem a aumentar de forma proporcional.

Tempo de mudança?

Depois de todo este tempo, a premissa subjacente ao totobola continua a mesma. Imensos apostadores perseguem as grandes recompensas em apostas depuradas sem considerarem que as probabilidades que recebem são bastante inferiores não só às probabilidades reais mas, mais importante ainda, à probabilidade de a sua aposta ganhar.

A promessa de um vencedor garantido, a produção de campanhas publicitárias sobre um determinado evento ou simplesmente proporcionar uma forma fácil de fazer apostas é um modo inteligente de alimentar a esperança de uma grande vitória.

Estes jogos de azar proporcionam um valor recreativo de entretenimento com as apostas inegável, mas os apostadores devem ter consciência de que existe uma razão óbvia para as casas de apostas destacarem ou sugerirem determinadas opções nas quais apostar – tornar uma tarefa já de si difícil ainda mais penosa.

Os apostadores inteligentes normalmente evitam as apostas com cupões e as casas de apostas que as tentam promover.

Não há nada de errado em procurar um ganho elevado; certifique-se apenas de que a casa de apostas não influencia as suas selecções.

 

Visita as casas de apostas da Betopedia

 

Independentemente da forma como aposta, obtenha sempre as margens mais baixas, os limites mais elevados e as melhores probabilidades na Pinnacle.

 

*Probabilidades retiradas de todas as probabilidades de empate 2-2 disponíveis nas apostas da Bundesliga, La Liga, Ligue 1, Premier League, Serie A, Liga dos Campeões e Liga Europa a partir de 02/12/2016.

 

Fonte: Pinnacle

Ciclismo – Liége-Bastogne-Liége 2019 By Pedro Pita Soares

Liége-Bastogne-Liége – Dois dos grandes momentos do ciclismo em 2019, e que vão ser recordados durante anos, foram as vitórias de Gilbert no Paris-Roubaix e de Van der Poel na Amstel Gold Race deste domingo.

 

Se a vitória do belga da Quick Step foi a continuação da absoluta hegemonia da equipa nesta temporada de clássicas, a tremenda vitória do jovem Van der Poel, de forma incrível vindo de trás, alcançando a fuga do dia e tendo forma para bater ciclistas do calibre de Kwiaktowski, Allaphilipe e Fulgsang ao sprint, significou a confirmação do valor tremendo de um ciclista que está destinado para voos muito altos – Liége-Bastogne-Liége

 

Allaphilipe

Neste Abril cheio de clássicas chega agora a hora das clássicas das Ardenas, e depois Fléche Wallone, ganha categoricamente por Allaphilipe, chega neste Domingo o Liége-Bastogne-Liége, um monumento do ciclismo cuja dureza costuma fazer com que sejam trepadores a vencê-lo. Uma corrida mítica na qual o ciclismo belga recupera anualmente toda a força da sua grande tradição.

liege-bastogne-liege

La Doyenne como lhe chamam os belgas, ou seja a mais antiga, é a prova de ciclismo mais antiga da modalidade, sendo corrida desde 1892.

Seguindo-se à Fléche Wallone as duas corridas são corridas tradicionalmente pelo mesmo grupo de corredores, havendo a curiosidade se saber se Allaphilipe vai repetir o feito de Valverde, o de vencer as duas provas tal como fez em 2006, 2015 e 2017, sendo que Philippe Gilbert também conseguiu proeza semelhante em 2011, e aparece nesta fase como um dos candidatos, depois da vitória estrondosa no Paris-Roubaix.

Esta era sem dúvida umas das provas favoritas de Eddy Merckx, o maior ciclista de todos os tempos, que a venceu em cinco ocasiões, e olhando para o seu percurso percebe-se porquê.

Depois de uma primeira metade relativamente calma a acção começa quando a corrida passa por Bastogne, e começa uma sucessão de muros, pequenas subidas brutais, que seleccionam o andamento da corrida, e destacam os ciclistas mais fortes.

Para se perceber a brutalidade da corrida nos últimos 100 quilómetros há dez muros, é portanto uma prova muito semelhante à Fléche Wallone, mas muito mais dura.

liege-bastogne-liege

Uma prova para trepadores e para ciclistas combativos. Uma prova feita à medida de um Allaphilipe que tem estado intratável nesta época de clássicas de 2019, tendo vencido a Stade Bianche, o Milan Sanremo e a Fléche Wallone, apenas tendo sido surpreendido por Van der Poel na Amstel Goldrace.

O francês é o grande favorito a vencer sobretudo porque o jovem ciclista belga resolveu de forma algo estranha não participar nas principais clássicas do seu país, onde seria um fortíssimo candidato a vencer.

Num patamar claramente abaixo do francês, cuja especialidade são exactamente este tipo de muros curtos e brutais, há um grupo de alguns ciclistas com aspirações a fazerem uma boa prova.

O suíço Fuglsang está a fazer uma temporada de clássicas com excelentes resultados, depois de no inicio da época ter vencido a Volta à Andaluzia. Foi terceiro na Amstel Gold Race, e fez segundo na Fléche Wallone e na Strade Bianche atrás de Allaphilipe. Tem sido o ciclista que tem dado mais luta ao domínio do francês.

Alejandro Valverde já não caminha para novo, mas como se viu na Fléche Wallone é o campeão do mundo é um ciclista perigoso, e muito inteligente. Não o vejo como um dos principais favoritos a vencer, mas certamente que o espanhol gostaria de igualar Eddy Merckx com um quinto triunfo em Liége. Uma boa opção para o Top 10.

Kwiatkowski está a ter um ano de 2019 relativamente discreto na época das clássicos, sobretudo para os seus padrões.

Liége-Bastogne-Liége

Foi terceiro no Milão-Sanremo e no Paris Nice, na Amstel andou lá na frente, mas não mostrou força para poder vencer.

Uma incógnita, mas o polaco é sempre um bom outsider, no dia certo pode ganhar a qualquer ciclista.

O alemão da Bora Schachmann está a emergir da sombra do seu chefe de fila Peter Sagan em 2019, estando a ter um conjunto de bons resultados de assinalar, como os 5ºs postos da Amstel e na Fléche Wallone, sendo uma boa opção para o Top 10.

Depois há um grupo de ciclistas que são verdadeiras incógnitas, podem ir às Ardenas fazer cicloturismo, como vencer a prova. Dumoulin e Nibali estão à cabeça deste grupo, que também inclui ciclistas como Bardet ou Yates.

O facto de serem ciclistas muito fortes em provas de três semanas, e do Giro se seguir no calendário, pode limitar muito as aspirações destes corredores.

Pedro-Pita-Soares

Assim sendo parece-me que Allaphilipe por tudo o que fez em 2019, pelas idiossincrasias desta corrida e pelo grande ciclista, merece que apostemos nele para vencedor da prova.

Liége-Bastogne-Liége

 

Allaphilipe @ 3.80 na Tripbet

Quando o mercado dos duelos abrir penso que pode ser boa política de apostas estar atento à corrida e apostar nalgum dos outsiders.

Sabe mais sobre a nova casa de apostas Tripbet com a nossa Review completa -AQUI

Real Sociedad vs Getafe – La Liga By Pedro Pita Soares

Real Sociedad vs Getafe – A jornada 34 de La Liga decidiu o pouco que havia para decidir na frente, sendo seguro que o Barça vai ganhar a prova, o Atleti vai ser segundo e o Madrid terceiro.

La LigaO Barça passeou a sua classe em Vitória, vencendo com cinco suplentes de forma imperial – Real Sociedad vs Getafe

 

 

O Atleti sofreu para vencer um jogo muito disputado contra o Valencia, enquanto o Real deixou boas sensações em Getafe, num jogo em que brilhou o jovem Brahim Diaz.

A luta pelo quarto posto da Champions continua ao rubro, com o Sevilha a golear o Rayo, o Valencia a perder no Wanda e o Gatafe a aguentar-se no posto a quatro rondas do fim.

Depois de uma temporada atribulada com a vitória no Butarque o Athletic parece ter assegurado o sexto posto da Liga Europa.

Na luta para evitar a descida a vitória no Anoeta deve ter chegado para salvar o Villareal, assim como a goleada do Levante ao Betis, ao passo que o triunfo do Valladolid ante o Girona significou passar acima da linha de água, e aprofundar o pesadelo dos catalães.

O Huesca e o Rayo têm uma tarefa ciclópica à sua frente, e podem reservar lugar na Liga 1 2 3 do ano que vem.

Houve vários tópicos interessantes na agenda noticiosa desta semana para os três grandes, uns mais concentrados no que resta da época, outros já a pensar em 2020.

No Real Madrid o regresso de Zidane foi assumido desde o princípio pelo clube como significando que havia que fazer uma limpeza de balneário, e renovar a equipa.

Ora tendo Zizou vencido as últimas três Champions ninguém teria mais força para renovar o plantel que o treinador francês.

O problema é que faltavam três meses para acabar a época, e que sendo o Real Madrid o clube que é, e com a cultura que tem, as especulações iriam ser mais que muitas.

Muito do que tem saído na imprensa não tem sido do agrado da massa adepta merengue, uma vez que Zidane parece não gostar especialmente de nenhum dos quatro jovens nos quais o Real Madrid deposita tantas esperanças: Lorente, Vinicius, Brahim e parece que até Rodrigo.

Karim-Benzema

Percebe-se a lógica do francês, um clube como o Madrid precisa de jogadores feitos, não de esperanças, mas parece que a cúpula do clube não está de acordo com este ponto de vista, argumentando com razão que Zidane não foi contratado para correr com os jovens mas sim os jogadores consagrados, que o treinador parece defender à morte.

No Atleti a actualidade tem sido marcada pelas sequelas do caso Costa. Parece que o PSG e o Atleti estão a estudar uma possível troca de sul americanos, com Costa a rumar a Paris e Cavani a Madrid, ambos a contas com problemas disciplinares nos seus clubes.

Foi igualmente muito notada a forma como o Simeone festejou a vitória ante o Valencia nesta quarta-feira, quase como se tivesse alguma importância transcendental.

Real Sociadad vs Getafe

O Atleti na teoria está exactamente na mesma situação do Real Madrid, não tem qualquer objectivo nesta temporada, não pode ganhar nada.

O que é que pode adoçar este fracasso, numa temporada em que o clube tanto investiu e da qual se esperava tanto?

Precisamente poder dizer que comparativamente foi menos mau, e que pelo segundo ano consecutivo os colchoneros ficam à frente do seu arqui-rival.

A picardia típica das rivalidades dos derbys.

No Barça já se contam os dias para a meia final da Champions contra o Liverpool.

A equipa passeou a sua classe no País Basco, mas foi muito questionada a utilização de Leo Messi na última meia hora do encontro, quando o resultado já estava 0-2, e nada havia para decidir, quando o craque do Barça tem que ser poupado para os jogos mais importantes que se seguem.

A questão da luta pela Bota de Ouro com Mbappé, que seria a sexta do argentino que assim bateria o seu próprio record de cinco Botas de Ouro, parece estar na origem desta utilização, como aliás se viu no jogo uma vez que a equipa deixou de jogar e passou antes a procurar ajudar Messi a meter um golo, mas o problema é se ele por acaso se lesiona.

Volta portanto a ser questionada a forma como Messi manda no Barça, onde parece ser ele quem decide quando joga e não joga.

Real Sociadad vs Getafe

Jogo decisivo para os madrilenos no Anoeta. A Real Sociedad está em crise, perdeu três dos últimos quatro jogos.

As lesões de jogadores tão importantes e nucleares como Illaramendi, Zurutuza ou Januzaj, a que se juntou recentemente Llorente, tornaram a Real uma equipa muito mais frágil e fraca, e Alguacil não consegue fazer omeletes sem ovos.

Esta quebra faz com que a equipa esteja de momento sem objectivos, nem pode ir à Europa, nem descer.

O Getafe vem de uma jornada onde se conseguiu manter no seu sonhado quarto posto da Champions, onde se mantém contra ventos e marés, mostrando uma consistência assinalável.

Real Sociadad vs Getafe

 

A equipa de Bordalás continua a ser uma verdadeira rocha, sólida, segura e capaz de fazer o que o jogo pede, tendo ainda por cima sido respeitada pelas lesões.

Olhando para os quatro jogos que faltam para além desta deslocação ao Anoeta o Getafe recebe o Girona e o Villareal no Coliseum, dois jogos relativamente acessíveis, e pelo meio desloca-se ao Camp Nou.

Assim sendo este é um jogo crucial para as aspirações europeias da equipa, uma verdadeira final, e poucas oportunidades terá o Getafe como esta, uma vez que os bascos estão muito desfalcados.

Pedro-Pita-Soares

Vistos estes pressupostos, acho que há valor nas seguintes linhas:

Real Sociedad vs Getafe

 

 Getafe AH 0.0 @ 1.95 na Tripbet

Under 2.5 @ 1.65 na Tripbet

 

Sabe mais sobre a nova casa de apostas Tripbet com a nossa Review completa -AQUI